PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

II. A missão do amor

II. A missão do amorDeus opera por meio de nós. Temos uma missão. Há um propósito neste mundo para nós: receber o amor de Deus e manifestá-lo aos outros. Deus busca curar um universo ferido. Convida-nos a sermos suas testemunhas e operários nesta obra.

A Sagrada Escritura oferece a substância e a forma do significado do amor

21. A história começa com o fato de termos sido criados à imagem de Deus. Na história, Deus convoca e forma um povo. Ele faz uma aliança connosco: primeiro por meio de Israel, depois por Cristo e pela sua Igreja. Nesta relação, Deus nos ensina a amar como Ele ama.

22. Com outras palavras, uma vez que fomos criados para a comunhão, aprendemos que o amor é a nossa missão. O dom de nossa existência precede e modela o que fazemos e como vivemos. Em suma: “o modo de Deus amar torna-se a medida do amor humano”.

23. A humildade é o requisito para se viver desta forma. Isso requer que conformemos os nossos corações a Deus e vejamos o mundo por meio de Seus olhos. O melhor caminho é Deus, embora nem sempre o mais fácil.

24. A Bíblia é plena de imagens do amor de Deus. Ele se apresenta como um pai acolhedor de seu filho retornando à casa, e para quem realiza um banquete (cf. Lc 15, 1132). Ele é o pastor em busca de sua ovelha perdida (cf. Lc 15, 37). Deus é uma mãe que conforta seus filhos (cf. Is 66, 13). Deus é um amigo que doa sua vida em favor dos outros, e chora quando seus amigos sofrem (cf. Jo 11, 35). Ele é um pedagogo que nos conduz a amar e servir aos outros como nossos irmãos (cf. Mt 22, 39). Deus é o jardineiro que de nós cuida até produzirmos bons frutos (cf. Jo 15,1). Ele é o Rei que nos convida para o banquete de núpcias de seu filho (cf. Mt 22, 114). Deus ouve o clamor do homem cego e para a fim de perguntar: O que você quer que eu faça por você? (cf. Mc 10, 4652). Deus é acolhedor, pleno de compaixão para com seu povo, quando este está faminto oferece-lhe comida e doa-se a si mesmo (cf. Mt 26,26).

O matrimónio é uma essencial imagem bíblica do amor de Deus

25. Todas essas imagens e muitas outras nos ajudam a perceber a profundidade do amor de Deus. Elas enfatizam o tipo de amor a que somos chamados a testemunhar em nossas próprias vidas. O Papa Bento XVI observou que uma imagem fundamental nos oferece um contexto para todas as outras: “Deus ama o seu povo”. A revelação bíblica, com efeito, antes de tudo é expressão de uma história de amor, a história da aliança de Deus com os homens. Eis porque a história do amor e da união entre um homem e uma mulher na aliança do matrimónio foi assumida por Deus como símbolo da história da salvação.

26. A imagem do matrimónio é central para a descrição da aliança de Deus com Israel, e mais adiante, com a Igreja. Assim ensina o Papa Bento XVI: “O matrimónio baseado num amor exclusivo e definitivo torna-se o ícone do relacionamento de Deus com o seu povo e, vice-versa”. Tema central na Sagrada Escritura é aliança com Deus, e o matrimónio é uma metáfora privilegiada para descrever o relacionamento d’Ele com a humanidade. Nesta perspetiva, quando ainda era arcebispo de Munique, Bento XVI havia explicado: Podemos afirmar que Deus criou o universo para que pudesse entrar em uma história de amor com a humanidade. Ele o criou de modo que o amor pudesse existir. Por trás disso estão palavras de Israel que nos conduzem diretamente ao Novo Testamento... Deus criou o universo e desta forma é capaz de tornar-se um ser humano, derramar seu amor em nós e nos convidar a retribuir esse amor.

27. Esta imagem nupcial inicia-se no Antigo Testamento. Aprendemos ali que Deus nos ama de forma íntima, com ternura e anseio. “Sobretudo os profetas Oseias e Ezequiel descreveram esta paixão de Deus pelo seu povo, com arrojadas imagens eróticas.” Em Oseias, Deus promete “seduzir” Israel “falando-lhe de forma carinhosa”, até que ela “responda como nos dias de sua juventude” e me chame de “seu esposo” (cf. Os 2, 1416). Em Ezequiel, Deus fala a Israel em imagens sensoriais: “Estendi o manto sobre ti para cobrir a nudez. Eu te fiz um juramento, estabelecendo uma aliança contigo – oráculo do Senhor Deus – e passaste a ser minha. Banhei-te na água [...] e te ungi com óleo. [...] Ficaste extremamente bela e chegaste à realeza.” (Ez 16,713) Encontramos linguagem semelhante em Isaías, Jeremias e nos Salmos. O livro do Cântico dos Cânticos também impulsionou pregações ao longo dos séculos utilizando o matrimónio para explanar a intensidade do amor de Deus para com o seu povo.

A Bíblia não é sentimentalista em relação ao amor conjugal

28. O casamento entre Deus e o seu povo não pode ser empedernido. “O relacionamento de Deus com Israel é descrito com as metáforas do noivado e do matrimónio”, desta forma quando o povo de Deus peca, essa queda torna-se um tipo de ‘adultério e prostituição’. Em Oseias, o amor de Deus por Israel o coloca na posição do esposo traído por uma esposa infiel. Assim Ele fala a Oseias: “Vai amar de novo aquela mulher adúltera, amada por um amante. É dessa forma que o Senhor ama os filhos de Israel, apesar de o terem trocado por outros deuses.” (Os 3,1).

29. Quando o povo de Deus se esquece de seus mandamentos, negligencia em seu meio o pobre, procura a segurança proveniente de forças estrangeiras ou se volta para falsos deuses – as palavras adultério e prostituição são os termos apropriados para descrever sua infidelidade.

30. Ainda assim, Deus permanece inabalável. O Papa Francisco, em uma recente reflexão sobre o texto de Ezequiel 16, percebe como Deus fala palavras de amor mesmo quando Israel lhe é infiel. Israel peca, esquece-se do único Deus, prostitui-se ao buscar falsos deuses. Porém Deus não abandona o povo da aliança. O arrependimento e o perdão sempre são possíveis. Sua misericórdia significa que Ele busca o bem de Israel enquanto este foge d’Ele. “Mulher abandonada e aflita, o Senhor te chama. Esposa da juventude um dia abandonada, contigo fala o teu Deus. Por um breve instante eu te abandonei, com imenso amor de novo te recolho […] com amor eterno voltei a me apaixonar por ti” (Is 54, 68). Deus persevera em seu amor pelo seu povo, mesmo que caíamos, mesmo quando insistimos em tentar viver sem Ele.

31. Nos mesmos moldes, o amor cristão envolve muito mais do que emoção. Este inclui o erótico e o afetivo, mas também a escolha. O amor é uma missão que recebemos, uma disposição para acolher; uma convocação à qual aderimos. Este tipo de amor possui dimensões que descobrimos à medida que nos rendemos a ele. Este tipo de amor procura e segue o Deus cuja aliança de fidelidade nos ensina o que é o amor. Deus nunca troca Israel por uma parceira mais atraente. E Ele também não se torna desencorajado pela rejeição. Ele nunca é temperamental. Deus deseja somente o melhor, o verdadeiro, e o supremo bem para o seu povo. Como o seu amor por Israel é uma paixão ardente – ninguém ao ler os profetas pode negar isso – este aspeto ‘erótico’ do amor divino é sempre fermentado com Sua fidelidade sacrificial. O eros de Deus sempre está integrado à Sua compaixão e paciência.

Matrimónio, amor e o sacrifício de Cristo na cruz

32. O amor de Deus é retratado de forma muito vivaz na Carta aos Efésios, capítulo 5. Neste trecho, São Paulo emprega a analogia do matrimónio em relação a Cristo e à Igreja. Paulo incita tanto os maridos quanto as mulheres a “serem submissos uns aos outros no temor de Cristo” (Ef 5,21). O matrimónio cristão não é, portanto, uma negociação de direitos e responsabilidades, mas antes uma manifestação de uma mútua doação. É muito mais radical do que qualquer igualitarismo. De fato, Paulo escreve que “o marido é a cabeça da mulher, como Cristo também é a cabeça da Igreja” (Ef 5,23). Mas o que isso significa no contexto e na prática? Paulo conclama os maridos a um amor abnegado que espelha o sacrifício de Cristo na cruz. Paulo, em profunda contraposição a outros códigos conjugais do mundo antigo, destrói o machismo e a exploração, quando ensina uma dinâmica à imagem de Deus: “Maridos, amai vossas mulheres como Cristo também amou a Igreja e se entregou por ela” (Ef 5,25). A partir da leitura de Efésios 5, a Igreja fala do matrimónio enquanto sacramento e convoca os casais a esse tipo de comunhão cruciforme e de sacrifício pelo outro.

33. Jesus capacita os cristãos a falar confiantemente sobre o amor de Deus. Ele concede a aliança de Deus, em sua plenitude, a todos os povos, e assim, realiza-se a história de Israel como uma narrativa universal da redenção. Jesus incorpora o amor-doação pois Ele é, literalmente, a Palavra de Deus feita carne. Ele ama a Igreja como sua esposa, e isso é amor altruísta – provado pelo sangue derramado na cruz – que se propõe como modelo para o tipo de amor e serviço necessários em cada casamento e família cristã.

34. Como ensinou o Papa Bento XVI: “O olhar fixo no lado trespassado de Cristo de que fala João (cf. 19, 37), compreende [...] ‘Deus é amor’ (1Jo 4, 8). É lá que esta verdade pode ser contemplada. E começando de lá, pretende-se agora definir em que consiste o amor. A partir daquele olhar, o cristão encontra o caminho do seu viver e amar”.

35. Hoje, para muitos, ‘amor’ é um pouco mais que um calorzinho no coração ou uma atração física. Estas coisas até têm o seu lugar, contudo, o verdadeiro amor – um amor que se aprofunda, suporta e satisfaz o coração humano ao longo de toda uma vida – cresce a partir do que ofertamos aos outros, e não do que tiramos para nós mesmos. O Senhor Jesus morreu na cruz para a nossa salvação. Aquela capacidade radical e libertadora de abandonar nossas prerrogativas e nos ofertarmos aos outros é o elemento que torna coeso todo o ensinamento católico sobre o matrimónio e a família. O ensinamento católico autêntico sobre o matrimónio e a família faz a separação entre amor verdadeiro e todas as outras falsas formas.

36. A Sagrada Escritura possui muitas outras formas complementares e sobrepostas de descrever o amor de Deus, mas a do matrimónio é a que se sobressai. A aliança entre Deus e seu povo – primeiro Israel e depois a Igreja – é como um casamento. Este casamento nem sempre é fácil, mas o pecado nunca possui a última palavra. A fidelidade de Deus revela como o amor verdadeiro e a fidelidade realmente são. Jesus Cristo, que nos acolhe a todos como membros da família de Deus, dá-nos uma definição nova e inaudita do amor, oferece-nos novas possibilidades para vivenciá-lo.

Questões para partilha

  • Por que o amor de Deus assemelha-se ao matrimónio?
  • De que forma o amor de Deus se distingue do nosso modo de amar?
  • O que é o verdadeiro amor e como fazer para reconhecê-lo? Quais são as semelhanças e as diferenças entre a noção cultural de amor romântico e o amor da Aliança de Deus?
  • Pode pensar em algum momento de sua vida no qual o amor de Deus lhe ajudou a amar de uma forma mais intensa e honesta?
Share

Próximos eventos

06maio
Dom. maio 06, 2018
Dia da Mãe
14maio
Seg. maio 14, 2018
Semana da Vida
15maio
27maio
Dom. maio 27, 2018
Festa Diocesana da Família
31maio
Qui. maio 31, 2018
Dia dos irmãos