Encontro do Patriarca de Lisboa com a Pastoral Familiar da Vigararia de Sacavém

Foto cedida pelo jornal Voz da VerdadeNo âmbito da visita pastoral à vigararia de Sacavém, o Sr. Patriarca, D. Manuel Clemente, encontrou-se no passado dia 18 de Outubro de 2013, com a pastoral familiar desta vigararia. Desta noite partilhamos as notas que tirámos bem como as fotografias que o Jornal a Voz da Verdade gentilmente nos cedeu. Este encontro começou com a caracterização da pastoral familiar nas paróquias da vigararia ao que se seguiu o comentário do sr. Patriarca à Pastoral Familiar. Antes de terminar houve ainda a oportunidade para os presentes colocarem algumas perguntas às quais D. Manuel respondeu.

Notas sobre o comentário de D. Manuel Clemente sobre a Pastoral Familiar

É na família que se aprende o que é a Igreja.

Quando se fala em Pastoral Familiar não se fala de uma especialidade, fala-se de algo geral, transversal a toda a comunidade eclesial. O Papa João Paulo II mencionou "A Igreja há-de ser uma família de famílias".

A Igreja é pensada enquanto família dos filhos de Deus. Filhos do mesmo Deus e irmãos uns dos outros. Aprender a viver em família é essencial na vida da Igreja.

A preparação para o matrimónio começa na infância, na forma como os filhos vêem o casamento dos pais, como estes acompanham os filhos na catequese. Ao longo da vida toda a realidade familiar continua presente e deve trabalhar em "rede familiar".

A nossa sociedade está mal. Com ligações familiares muito frágeis. O próprio matrimónio é tratado como uma espécie de contrato a prazo. Porque se fala de um sacramento, é necessário vivê-lo em Cristo, é necessário estar disponível para servir os outros, para aprender a viver à maneira de Jesus Cristo: "se se casarem, casem-se em Cristo" como dizia S. Paulo.

Assim, na nossa ação pastoral importa refletir sobre cada uma das seguintes perguntas:

  • Em cada um desta comunidade, acontece ou não a presença da dimensão familiar?
  • Olhamos para os paroquianos à peça ou no contexto familiar?
  • Pensamos ou não na vivência familiar de cada pessoa?

Perguntas e respostas

P: Vivemos num mundo de crises e também na família há crises. Ao nível da Igreja, patriarcado, diocese, somos confrontados com casais que devido a dificuldades do dia-a-dia podem necessitar de acompanhamento. Existe algum serviço disponível para onde possamos encaminhar estas pessoas?
R: Não existe. Pode haver... Mas esse grupo tem de ter uma presença mais local. As pessoas não se deslocam com facilidade. Seria bom que em cada vigararia houvesse um CPM + 1 grupo de "boas vontades" que pudesse ajudar, com apoio de um psicólogo. Em qualquer das vigararias há pessoas para criar uma equipa de apoio destas.

P: Que papel podem ter na Igreja os casais cristãos? Hoje em dia as pessoas já se multiplicam muito...
R: Nas vossas paróquias não podem correr o risco de pulverização! Temos de envolver a família nos vários serviços. O envolvimento da família é muito importante.

P: Nesta sociedade de pulverização que afecta muito os nossos jovens, o que podemos fazer para fidelizar os casais à vida familiar?
R: No Porto há um sacerdote - Monsenhor Jorge (com mais de 80 anos) que tem um ficheiro com todos os casamentos e baptismos que celebrou. De tempos a tempos liga a essas pessoas. Não se larga a rede!! É preciso manter a rede, não deixar as pessoas abandonadas. Temos de acolher, ouvir. De fora não vem ajuda!

P: Tendo em conta a importância dos avós, com os casais cheios de problemas, o que a Igreja tem para oferecer tendo em conta que os avós representam os valores... O que a Igreja tem para oferecer a estes avós, que têm uma vida mais complicada?
R: O que os avós cristãos têm para oferecer? A população portuguesa está cada vez mais envelhecida, não há renovação de gerações. Nas nossas comunidades a maior parte da população é possível que seja avós... Temos de fazer a pastoral do Abraão e da Sara...
Porque não fazer a festa dos avós? Quando se fala em pessoas com mais de 60/70 anos pensemos no que só essas pessoas podem fazer. Com o que já fizeram ao longo da sua vida, têm um capital de sabedoria acumulado que só elas têm.


Caracterização da Pastoral Familiar nas Paróquias da Vigararia

BOBADELA

  • CPB (4 encontros; os primeiros 3 centram-se na partilha da Palavra de Deus e o 4º na explicação do rito do baptismo e da celebração).
  • CPM (O prior encaminha os casais para a equipa de CPM da vigararia).

    Ideias para 2013/14

  • Reunir alguns casais num grupo; formá-los e olhar para as dificuldades que têm em família (ex: alimentação, como criar um orçamento familiar, etc).
  • Reunir casais de namorados e começar a apresentar o que é o matrimónio e o caminho para o matrimónio. Começar a pegar nos jovens para que passem a casais!!

CATUJAL e UNHOS

  • Preparação para o Baptismo - procuram formar pais e padrinhos e capacitá-los para o baptismo. No encontro que têm acabam por perceber as dificuldades das famílias e encaminham-nas para determinados serviços da paróquia (ex: catequese de adultos, etc).
  • Grupo da Sagrada Família - reunião mensal em casa de cada família, de forma organizada.
  • Grupos de oração - dão apoio a famílias com idosos, doentes ou outras pessoas com necessidades especiais.
  • Outros eventos - procuram dar apoio a famílias que estão longe da comunidade, tendo havido um número significativo de respostas por parte das famílias.

PRIOR VELHO

  • Ligação às famílias através dos pais que levam os filhos à catequese.
  • CPM - encaminham para a equipa vicarial.
  • CPB - é da responsabilidade dos Srs. Padres.

SACAVÉM

  • CPB - Os pais são primeiramente acolhidos pelas pessoas que trabalham no cartório. Posteriormente há uma reunião dos pais e padrinhos com o Sr. Padre e, posteriormente, com um casal que os acompanha e lhes fala da Igreja, do baptismo e da sua importância na vida das pessoas.
  • CPM - O sr padre faz uma reunião com os noivos - catequese sobre o matrimónio. Posteriormente são encaminhados para um local onde exista CPM.

SANTA IRIA

  • CPM - têm uma equipa constituída por 5 casais + Pe. Francisco. Têm tentado "angariar" mais casais mas não têm conseguido. Realizam, em média, 2 CPMs por ano (Fevereiro/Março e Maio/Junho). O CPM consiste em 5 sessões em que na última fazem um convívio com os noivos. Este ano tiveram cerca de 20/25 casais no último que realizaram. Referem que se tentam adaptar às diferentes realidades (ex. Casais que já vivem juntos, que têm filhos, etc). Têm tido opiniões muito positivas da parte dos noivos.
  • CPB - existe uma equipa de leigos que acolhe os pais e padrinhos. Existem 2 encontros + 1 de preparação específica.
  • Não têm uma equipa da Pastoral Familiar e consideram que esta se concretiza transversalmente, estando espalhada por diferentes grupos e movimentos.

SÃO JOÃO DA TALHA

  • CPB - acolhimento no cartório. 1 encontro com pais e padrinhos

Fotos cedidas pelo jornal Voz da Verdade

 

Poderá ler mais sobre este encontro na edição de 27 de Outubro do jornal Voz da Verdade. 


AdmirorGallery 4.5.0, author/s Vasiljevski & Kekeljevic.