PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

Familiarmente - Maio 2017

Familiarmente - Maio 2017

ComTributo à Igreja

Continuação do Capítulo IV.

Alegrar-se com os outros

Ponto importante, mas muitas vezes esquecido. Diz-nos o Papa Francisco: ”Isto é impossível para quem sente a necessidade de estar sempre a comparar-se ou a competir, inclusive com o próprio cônjuge, até ao ponto de se alegrar secretamente com os seus fracassos.” Em 2COR 9,7, está escrito que: “Deus ama quem dá com alegria”, ou seja “Nosso Senhor aprecia de modo especial quem se alegra com a felicidade do outro.” Deveríamos de facto ser mais felizes, e “A família deve ser sempre o lugar onde uma pessoa que consegue algo de bom na vida sabe que ali se vão congratular com ela.”

Tudo desculpa

A missão de Deus aponta sempre para o máximo: tudo. É este o caminho. “Os esposos, que se amam e se pertencem, falam bem um do outro, procuram mostrar mais o lado bom do cônjuge do que as suas fraquezas e erros.” O ponto 113 é de leitura obrigatório para os esposos. Termina assim: “O amor convive com a imperfeição, desculpa-a e sabe guardar silêncio perante os limites do ser amado.”

Confia

                Partir do princípio certo. É este o ponto de partida. “Não se trata apenas de não suspeitar que o outro esteja a mentir ou a enganar; esta confiança básica reconhece a luz acesa por Deus que se esconde por detrás da escuridão, ou a brasa ainda acesa sob as cinzas. É precisamente esta confiança que torna possível uma relação em liberdade. Não é necessário controlar o outro, seguir minuciosamente os seus passos, para evitar que fuja dos meus braços. O amor confia, deixa em liberdade, renuncia a controlar tudo, a possuir, a dominar.”

Tudo suporta

O que significa isto? “É manter-se firme no meio de um ambiente hostil.”, diz-nos o Papa Francisco. Quantos vezes por dia, somos nós desafiados a sermos fiéis a Tudo suporta? E vai mais longe: “É amor que apesar de tudo não desiste, mesmo que todo o contexto convide a outra coisa.”

Crescer na caridade conjugal

O Papa Francisco vai-nos deixando avisos. Em relação aos casais diz-nos: “…não se deve atirar para cima de duas pessoas limitadas o peso tremendo de ter de reproduzir perfeitamente a união que existe entre Cristo e a sua Igreja, porque o matrimónio como sinal implica «um processo dinâmico, que avança gradualmente com a progressiva integração dos dons de Deus».”

A vida toda, tudo em comum

                A analogia entre Cristo+Igreja e Homem+Mulher é retratada pelo Papa Francisco, usando uma expressão de São Tomás de Aquino. “Depois do amor que nos une a Deus, o amor conjugal é a «amizade maior».” O amor tem características da amizade, mas “O matrimónio, porém, acrescenta a tudo isso uma exclusividade indissolúvel, que se expressa no projecto estável de partilhar e construir juntos toda a existência.” A exigência que traz felicidade: “Um amor frágil ou enfermiço, incapaz de aceitar o matrimónio como um desafio que exige lutar, renascer, reinventar-se e recomeçar sempre de novo até à morte, não pode sustentar um nível alto de compromisso.” O matrimónio tem também características da paixão, mas “…orientada para uma união cada vez mais firme e intensa.” A amizade, que une homem e mulher “…adquire um caracter totalizante, que só se verifica na união conjugal.” 

Bruno de Jesus


Ainda na rubrica do Familiarmente deste mês de Maio:

15 de Maio – Dia Internacional da Família

Ainda sobre a formação de agentes de Pastoral Familiar

Próximas actividades 

 

Share

Próximos eventos

06maio
Dom. maio 06, 2018
Dia da Mãe
14maio
Seg. maio 14, 2018
Semana da Vida
15maio
27maio
Dom. maio 27, 2018
Festa Diocesana da Família
31maio
Qui. maio 31, 2018
Dia dos irmãos