PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

Familiarmente - Setembro de 2017

Familiarmente - Setembro de 2017O Evangelho da Família: alegria para o mundo

De 21 a 26 de Agosto de 2018 a cidade de Dublin, na Irlanda, irá acolher o IX Encontro Mundial das Famílias, para o qual todos estamos convidados. Este evento reúne famílias católicas do mundo inteiro a cada três anos, desde 1994 (ano internacional da família), a convite do Santo Padre.

 A edição de 2018 terá como tema “O Evangelho da Família: alegria para o mundo” e quer sublinhar o papel da família como anunciadora do amor de Deus através do testemunho do amor vivido entre esposos, pais e filhos.

É desejo do papa Francisco “que as famílias tenham a possibilidade de aprofundar a sua reflexão e a sua partilha sobre o conteúdo da Exortação Apostólica pós-sinodal Amoris laetitia.” Reforçamos, por isso a urgência de tomar em conta esta indicação na preparação do programa pastoral dos vários grupos/movimentos/paróquias. A organização de Encontro criou o percurso “Amoris Leatitia: falemos de família! Somos família”, que visa disponibilizar recursos para apoiar esta caminhada (https://amoris.ie/).

Na sua carta sobre este encontro, datada de Março 2017, o Papa escreve que devemos questionar-nos “o Evangelho continua a ser alegria para o mundo? E mais ainda: a família continua a ser uma boa notícia para o mundo de hoje?” e expressa a convicção de que sim, um «sim» “firmemente fundado no desígnio de Deus.

“O amor de Deus é o seu «sim» à criação inteira e ao seu âmago, que é o homem. Trata-se do «sim» de Deus à união entre o homem e a mulher, em abertura e ao serviço da vida em todas as suas fases; é o «sim» e o compromisso de Deus a favor de uma humanidade muitas vezes ferida, maltratada e dominada pela falta de amor. Por conseguinte, a família é o «sim» do Deus Amor. Somente a partir do amor a família pode manifestar, propagar e regenerar o amor de Deus no mundo. Sem o amor não podemos viver como filhos de Deus, nem como cônjuges, pais e irmãos.

Familiarmente - Setembro de 2017“Desejo pôr em evidência como é importante que as famílias se interroguem frequentemente se vivem a partir do amor, para o amor e no amor. Concretamente, isto significa doar-se, perdoar-se, não perder a paciência, antecipar o outro, respeitar-se. Como seria melhor a vida familiar, se cada dia vivêssemos as três simples palavras: «com licença», «obrigado» e «desculpa». Todos os dias nós vivemos a experiência da fragilidade e da debilidade, e por este motivo todos nós, famílias e pastores, temos necessidade de uma humildade renovada que plasme o desejo de nos formarmos, de nos educarmos e de sermos educados, de ajudarmos e de sermos ajudados, de acompanharmos, discernirmos e integrarmos todos os homens de boa vontade. Sonho uma Igreja em saída, não autorreferencial, uma Igreja que não passe distante das feridas do homem, uma Igreja misericordiosa que anuncie o coração da revelação de Deus Amor, que é a misericórdia. É esta mesma misericórdia que nos renova no amor; e sabemos que as famílias cristãs são lugares de misericórdia e testemunhas de misericórdia; depois do Jubileu extraordinário elas sê-lo-ão ainda mais, e o Encontro de Dublim poderá oferecer sinais concretos disto.”


Ainda na edição do Familiarmente deste mês:

Os avós e o tesouro da fé

Vai acontecer

Programa do Sector da Pastoral Familiar para o ano pastoral 2017-2018

Share