A Beleza e o Mistério que é Educar um Filho | Familiarmente Dezembro 2019

Escola de Pais – II

A BELEZA E O MISTERIO QUE É EDUCAR UM FILHO

Um filho põe à prova a humanidade do pai e da mãe. Exige comunhão, um dos maiores desafios: aceitar o outro, confiar, perdoar, saber que é melhor a dois, mesmo quando parecem prevalecer fragilidades e interrogações. Qual é o ponto de partida desta missão singular?

 Em primeiro lugar, a consciência de que não há serviço à humanidade maior do que educar. Com um bebé nos braços, um pai e uma mãe estão investidos da responsabilidade civilizacional mais decisiva que pode haver. Educar é, não só amar aquela criança, mas, nisso, construir o mundo.

A Beleza e o Mistério que é Educar um Filho | Familiarmente Dezembro 2019

Em segundo lugar, parte-se da certeza de que há algo de comum em todo o coração humano. Está na sua natureza um desejo indomável e uma atração pelo bem, pela verdade, pela beleza, pela justiça, pelo amor. Um filho é também um irmão, um companheiro de viagem, munido das mesmas ferramentas e características, na diversidade de temperamento e circunstâncias. Quando crescer, esta certeza vai ser útil diante da estranheza que virá. Mas enquanto é pequenino e parece um bonequinho, ajuda lembrar esta sua dignidade humana incancelável.

Em terceiro lugar, educa-se um filho para a totalidade do que existe, fora dele, mas também nele. O crescimento é a passagem do tudo receber para o tudo dar. A felicidade está nesse dom de si, mais do que em qualquer satisfação. Diante daquela mini-pessoa, cheia de candura e vulnerabilidade, para quem o pai e a mãe são todo-poderosos, há um instinto de proteção, mimo, satisfação dos desejos. Mas no amor a um filho descobre-se o que é dar sem esperar nada em troca, querer o melhor dele, mesmo à custa de atitudes difíceis. Educar um filho é abrir-lhe o horizonte do mundo, arriscando, lançando, despertando nele o desejo de construir.

O mais desafiante nesta missão é que querer o bem de um filho obriga a pensar no que é o bem, no que tem valor, no que dá sentido à vida. Educa-se com a própria posição perante a vida, muito mais do que com instruções e recomendações. Educa-se apontando para mestres em quem se reconhece uma autoridade e uma ajuda. Só educa, quem se reconhece necessitado de crescer na verdade e portanto se deixa também educar.

 

Missão impossível? Seria. Se não fosse certa a origem e bom o destino. Se não soubéssemos que fomos criados e redimidos, pais e filhos. Se não experimentássemos, a par e passo, que Deus é também Espírito, que ilumina, guia e fortalece. Se não tivéssemos uma casa onde esta graça chega a até nós, uma casa chamada Igreja, que é, ela mesma, Mãe e Educadora.

 


 Ainda na rubrica do Familiarmente deste mês de Dezembro:

Educar com uma Proposta

Concurso de Presépios 2019

Vocação e Família - Na Minha Vida, Inseparáveis