PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

ComTributo à Igreja - Março 2017

ComTributo à Igreja - Março 2017Continuação do Capítulo III.

Sementes do Verbo e situações imperfeitas

É importante perceber que “… o matrimónio natural compreende-se plenamente À luz da sua realização sacramental: só fixando o olhar em Cristo é que se conhece cabalmente a verdade das relações humanas.” O Papa Francisco  diz-nos “… que «toda a pessoa que deseja formar, neste mundo, uma família que ensine os filhos a alegrar-se por cada acção que se proponha vencer o mal – uma família que mostre que o Espírito está vivo e operante – encontrará gratidão e estima, independentemente do povo, região ou religião a que pertença».” Quando ocorrem situações difíceis e que deixam famílias feridas” Saibam os pastores que, por amor à verdade, estão obrigados a discernir bem as situações.”

 A transmissão da vida e a educação dos filhos

Refere-se neste ponto, uma palavra de apreço que não podem ter filhos, mas antes explicando que “O matrimónio é, em primeiro lugar, uma «íntima comunidade da vida e do amor conjugal», que constitui um bem para os próprios esposos; e a sexualidade «ordena-se para o amor conjugal do homem e da mulher». Por isso, também «os esposos a quem Deus não concedeu a graça de ter filhos podem ter uma vida conjugal cheia de sentido, humana e cristãmente falando».

Neste momento, em que na sociedade ocidental, se fala tanto sobre a questão do aborto, é-nos dito “…que de modo nenhum se pode afirmar como um direito sobre o próprio corpo a possibilidade de tomar decisões sobre esta vida que é fim em si mesma e nunca poderá ser objecto de domínio de outro ser humano.”

Um alerta, deixa-nos o Santo Padre “que a educação integral dos filhos é, simultaneamente, «dever gravíssimo» e «direito primário» dos pais. Não é apenas um encargo ou um peso, mas também um direito essencial e insubstituível que estão chamados a defender e que ninguém deveria pretender tirar-lhes. O Estado oferece um serviço educativo de maneira subsidiária, acompanhando a função não delegável dos pais, que têm o direito de poder escolher livremente o tipo de educação – acessível e de qualidade – que querem dar aos seus filhos, de acordo com as suas convicções. A escola não substitui os pais; serve-lhes de complemento. Este é um princípio básico: «Qualquer outro participante no processo educativo não pode agir senão em nome dos pais, com o seu consenso e, em certa medida, até mesmo por seu encargo.»”

 Capítulo IV – O Amor no Matrimónio

Quando é contraído “…o sacramento do matrimónio destina-se, antes de mais nada, «a aperfeiçoar o amor dos cônjuges».”

Paciência

No matrimónio é necessário unir olhares, mas muitas vezes é necessário abdicar por amor. “Uma pessoa mostra-se paciente, quando não se deixa levar pelos impulsos interiores e evita agredir.”…”O problema surge quando exigimos que as relações sejam idílicas, ou que as pessoas sejam perfeitas, ou quando nos colocamos no centro à espera que se cumpra unicamente a nossa vontade.” Somos todos irmãos e filhos do mesmo Pai. “O amor possui sempre um sentido de profunda compaixão, que leva a aceitar o outro como parte deste mundo, mesmo quando age de modo diferente daquilo que eu desejaria.”

 

Bruno de Jesus

Share

Próximos eventos

06maio
Dom. maio 06, 2018
Dia da Mãe
14maio
Seg. maio 14, 2018
Semana da Vida
15maio
27maio
Dom. maio 27, 2018
Festa Diocesana da Família
31maio
Qui. maio 31, 2018
Dia dos irmãos