PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

ComTributo à Igreja - Abril 2017

ComTributo à Igreja - Abril 2017

ComTributo à Igreja

Continuação do Capítulo IV

 

Atitude de serviço

São Paulo ensina-nos “… que o amor não é apenas um sentimento, mas deve ser entendido no sentido que o verbo «amar» tem em hebraico: «fazer o bem». Como dizia Santo Inácio de Loiola, «o amor deve ser colocado mais nas obras do que nas palavras».

 Curar a inveja

                “… no amor, não há lugar para sentir desgosto pelo bem do outro.(…) O verdadeiro amor aprecia os sucessos alheios, não os sente como uma ameaça, libertando-se do sabor amargo da inveja. Aceita que cada um tenha dons distintos e caminhos diferentes na vida; e, consequentemente, procura descobrir o seu próprio caminho para ser feliz, deixando que os outros encontrem o deles.” “O amor leva-nos a uma apreciação sincera de cada ser humano, reconhecendo o seu direito à felicidade.”

Sem ser arrogante nem se orgulhar

                O Papa Francisco, como é seu hábito, vai-nos desafiando a sermos melhores, a puxar-nos para a santidade. “Quem ama não só evita falar muito de si mesmo, mas, porque está centrado nos outros, sabe manter-se no seu lugar sem pretender estar no centro.” São Paulo, mais uma vez tem expressões que ecoam nos nossos corações “… «a ciência incha», ao passo que «a caridade edifica». É muito importante uma atitude de humildade, porque “para poder compreender, desculpar ou servir os outros de coração, é indispensável curar o orgulho e cultivar a humildade.”

Amabilidade

Um Cristão, é um positivo por coerência. “Isto não é possível quando reina um pessimismo que põe em evidência os defeitos e erros alheios, talvez para compensar os próprios complexos.”

Desprendimento

“…deve evitar-se dar prioridade ao amor a si mesmo, como se fosse mais nobre do que o dom de si aos outros.” São Tomás de Aquino disse “«ser mais próprio da caridade querer amar do que querer ser amado», e que de facto «as mães, que são as que mais amam, procuram mais amar do que ser amadas». Por isso, o amor pode superar a justiça e transbordar gratuitamente «sem nada esperar em troca» (…) «Recebestes de graça, dai de graça.»”

Sem violência interior

                O Papa indica-nos que este tipo de violência, que acontece quando não estamos em paz com os irmãos, leva-nos à solidão e ao desprezo. Quem já não passou/passa por isto? “Alimentar esta agressividade íntima de nada serve.” “A indignação é saudável quando nos leva a reagir perante uma grave injustiça; mas é prejudicial quando tende a impregnar todas as nossas atitudes para com os outros.”

Perdão

                Esta atitude, aponta-nos para a santidade. Eu perdoo-te, porque quero a tua salvação. “O problema é que, às vezes, atribui-se a tudo a mesma gravidade, com o risco de ser tornar cruel perante qualquer erro do outro.” “Quando estivermos ofendidos ou desiludidos, é possível e desejável o perdão; mas ninguém diz que seja fácil.” Frequentemente “… culpar os outros torna-se um falso alívio.” “Se aceitamos que o amor de Deus é incondicional, que o carinho do Pai não se deve comprar nem pagar, então poderemos amar sem limites, perdoar aos outros, ainda que tenham sido injustos para connosco.”

Bruno de Jesus

Share

Próximos eventos

27Out.
Sáb. Out. 27, 2018
Forum Wahou!
27Out.
Sáb. Out. 27, 2018 @15:00 -
Caminhada pela Vida
10Nov.
23Nov.
Sex. Nov. 23, 2018
Retiro da Vinha de Raquel
01Dez.