PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

Os avós e o tesouro da fé

Os avós e o tesouro da féJá o apóstolo São Paulo nos recordava da importância das avós na transmissão da fé quando na segunda Epístola a Timóteo dizia “Pois trago à memória a tua fé sem fingimento, que se encontrava já na tua avó Loide e na tua mãe Eunice e que, estou seguro, se encontra também em ti.” (2Tm 1, 5). Assim o era há 2.000 anos e assim continua a ser hoje, em que frequentemente são os avós os primeiros catequistas das crianças, ensinando-lhes as suas primeiras orações, além da transmissão de tantos ensinamentos próprios da sabedoria adquirida com a idade. Os avós são a memória viva da família. Como tal, importa valorizar o seu papel na educação das nossas crianças e jovens, proporcionando espaços de encontro entre avós e netos (muitas vezes distantes devido às vicissitudes da vida quotidiana). Na mensagem que escreveu a respeito do dia dos avós, que celebrámos no passado dia 26 de Julho, a Comissão Episcopal do Laicado e Família alerta-nos para a importância dos avós no despertar da fé, o que aproveitamos para recordar:

Os avós e o tesouro da fé“[...] O Dia dos Avós tem como referência estes dois grandes crentes Joaquim e Ana, avós de Jesus. Eles inspiram os avós de hoje e levam-nos a agradecer-lhes o testemunho admirável de uma fé forte, consolidada numa vida de relação com Deus e alimentada pela prática fiel de uma vida cristã em comunidade.

Os Avós continuam a ser os «grandes catequistas» das novas gerações e os baluartes das famílias e das nossas comunidades cristãs. São testemunhas credíveis de fé cristã na família, na Igreja e na sociedade.

Os Avós crentes, como Joaquim e Ana, transmitem às novas gerações o sentido da fé e da vida, são portadores de uma sabedoria, e experiência que ensinam que uma vida sem valores, sem amor, sem fidelidade, sem doação não tem sentido.

Eles são uma «reserva sapiencial» não só da própria família, mas da Igreja e da sociedade que a Sagrada Escritura nos exorta a valorizar: “Não desprezes os ensinamentos dos anciãos” (Ecl 8,11).

Com maior disponibilidade para a oração, com uma capacidade particular para compreender as situações difíceis e com um forte sentido de solidariedade “os Avôs e as Avós formam um «coro» permanente de um grande santuário espiritual, onde a oração de súplica e o canto de louvor sustentam a comunidade que trabalha e luta no campo da vida” (Papa Francisco).

Agradecemos ao Senhor o dom dos Avós e pedimos para eles, por intercessão de São Joaquim e de Santa Ana, o dom da alegria espiritual e a fortaleza para enfrentarem as dificuldades próprias da sua situação e, porventura, a falta de amor, de atenção e de solicitude que merecem, que lhes são devidas por parte de todos nós - família, Igreja e sociedade. A eles a nossa gratidão, votos de um feliz dia e um grande abraço no Senhor.”

Share