PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

ComTributo à Igreja - janeiro de 2018

ComTributo à Igreja - janeiro de 2018Sobre o Capítulo V da Amoris Laetitia.

Amor de mãe e de pai

O Papa Francisco, reforça a ideia de que: “Toda a criança tem direito a receber o amor de uma mãe e de um pai, ambos necessários para o seu amadurecimento íntegro e harmonioso.” “Não se trata apenas do amor do pai e da mãe separadamente, mas também do amor entre eles, captado como fonte da própria existência, como ninho acolhedor e como fundamento da família.” “Além disso, é juntos que eles ensinam o valor da reciprocidade, do encontro entre seres diferentes, onde cada um contribui com a sua própria identidade e sabe também receber do outro.”

O Sumo Pontífice, aprofunda o tema: “… não podemos ignorar a necessidade que as crianças têm da presença materna. Especialmente nos primeiros meses de vida. A realidade é que «a mulher se apresenta diante do homem como mãe, sujeito da nova vida humana, que nela é concebida e se desenvolve, e dela nasce para o mundo.» O enfraquecimento da presença materna, com as suas qualidades femininas, é um risco grave para a nossa terra. Aprecio o feminismo, quando não pretende a uniformidade nem a negação da maternidade. Com efeito, a grandeza das mulheres implica todos os direitos decorrentes da sua dignidade humana inalienável, mas também do seu génio feminino, indispensável para a sociedade. As suas capacidades especificamente femininas – em particular a maternidade – conferem-lhe também deveres, já que o seu ser mulher implica também uma missão peculiar nesta terra, que a sociedade deve proteger e preservar para bem de todos. De facto, «as mães são o antídoto mais forte contra o propagar do individualismo egoísta […] São elas que testemunham a beleza da vida». Sem dúvida, «uma sociedade sem mães seria uma sociedade desumana, porque as mães sabem testemunhar sempre, mesmo nos piores momentos, a ternura, a dedicação, a força moral. As mães transmitem, muitas vezes, também o sentido mais profundo da prática religiosa: nas primeiras orações, nos primeiros gestos de devoção que uma criança aprende […]. Sem as mães, não somente não haveria novos fiéis, mas a fé perderia boa parte do seu calor simples e profundo. […] Queridas mães, obrigado, obrigado por aquilo que sois na família e pelo que dais à Igreja e ao mundo.» (…) Por sua vez, a figura do pai, ajuda a perceber os limites da realidade, caracterizando-se mais pela orientação, pela saída para o mundo mais amplo e rico de desafios, pelo convite a esforçar-se e lutar.” A missão de ser pais, é algo muito exigente, mas “…«os filhos têm necessidade de encontrar um pai que os espera quando voltam dos seus fracassos. Farão de tudo para não o admitir, para não o revelar, mas precisam dele». Não é bom que as crianças fiquem sem pais e, assim, deixem de ser crianças antes do tempo.”

Fecundidade alargada

A adopção é de facto um caminho muito importante. Francisco impele a que quem não possa ter filhos biologicamente, receba “… quem está privado de um ambiente familiar adequando.” É uma forma de evitar o aborto. Deus diz-nos que: “«Ainda que a tua mãe chegasse a esquecer-te, Eu nunca te esqueceria.»”

Bruno de Jesus

Share

Próximos eventos

06maio
Dom. maio 06, 2018
Dia da Mãe
14maio
Seg. maio 14, 2018
Semana da Vida
15maio
27maio
Dom. maio 27, 2018
Festa Diocesana da Família
31maio
Qui. maio 31, 2018
Dia dos irmãos