PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

Equilíbrio familiar

Equilíbrio familiarNos dias que vivemos, ao refletirmos sobre as realidades Família e Trabalho, pensamos que é algo trivial porque, fazendo do Trabalho o ponto de partida e numa análise rápida e superficial, chegamos à conclusão de que este é indispensável para o sustento da Família e fechamos o assunto. No entanto, não se trata de um exercício fácil e óbvio, quando queremos ir mais fundo e descobrir os verdadeiros desafios que estas duas dimensões trazem à nossa vida: a sua interpenetração, a prevalência da Família sobre o Trabalho e… o “peso” que o próprio Deus lança com a Sua luz, são variáveis decisivas para as conclusões que surjam.

 

A minha experiência de vida de dezassete anos de casamento, outros tantos de carreira profissional e de cinco filhos que foram surgindo ao longo de quinze anos, foram determinantes para olhar a relação entre Família e Trabalho de uma forma tão diferente… E tal não significa que as conclusões estejam tiradas, bem pelo contrário, a maturidade que este caminho traz, faz-me perceber que dificilmente o contexto ideal com que por vezes sonho se realizará algum dia, que a realidade que vou vivendo me é proporcionada por Deus e que é nessa mesma realidade que Ele me concede a graça de ir trilhando o meu percurso de Salvação.

A primeira tendência que temos, como em tantas outras coisas na vida, é “engavetar” a Família e o Trabalho: quando estou em Família esquecemos o Trabalho e, na situação inversa com uma carga temporal muito maior, deixamos o resto, tranquilizando a nossa consciência com a justificação da subsistência, de querer dar o melhor aos nossos filhos, etc. quando o que realmente temos no nosso coração é ambição: uma carreira que nos dê poder, protagonismo, autossuficiência e que permita demonstrar, no plano material, que estamos acima dos outros e que conseguimos triunfar.

Rapidamente percebemos que uma separação destas não nos traz felicidade, bem pelo contrário, traz angústia, ansiedade e uma necessidade cada vez maior de que estes nossos princípios sejam entendidos ou, no mínimo, aceites pelos outros, em particular pela nossa Família que é a primeira a sentir as dificuldades da ausência e da falta de disponibilidade que o dinheiro não consegue compensar.

A minha realidade de vida diz-me que aquilo que procuro é um desafio diário. Com a presença de Deus na minha vida, sei ao que Ele me chama e só isso me ajuda a olhar a realidade de uma outra forma. Sei que sou chamado ao Trabalho porque faz parte da minha realização pessoal que se reflete nos que estão à minha volta, em particular na Família. Sei que, na profissão que exerço, não é possível “engavetar” porque é-me exigida uma disponibilidade em determinados momentos que não posso negar. Mas tenho consciência de que é muito ténue a linha que separa o que é realmente urgente, daquilo que temos mais tempo para fazer.

Esta tomada de consciência, que é iluminada por Deus e pela minha Família através da subtileza dos sinais a que tenho que estar atento a todo o momento, é aquilo de que preciso para o meu equilíbrio simplesmente porque, quando isso acontece, vivo no meu coração um sentimento grande de conforto e paz: Deus e a minha Família estão comigo, no mesmo barco, a remar no mesmo sentido!

E nos momentos mais difíceis, quando caio na tentação de sonhar com algo que não existe e que me esmaga com esse peso da impossibilidade de concretização, sou levantado pela Cruz de Jesus Cristo, para quem a vida não foi certamente fácil, e pelo olhar da minha Mulher e dos meus Filhos que me dizem: «Segue, que nós estamos contigo!»

Pedro Moutinho

Share

Próximos eventos

27maio
Dom. maio 27, 2018
Festa Diocesana da Família
31maio
Qui. maio 31, 2018
Dia dos irmãos
01Jun.
Sex. Jun. 01, 2018
DIa da criança
26Jul.
Qui. Jul. 26, 2018
Dia dos avós
22Ago.