PASTORAL DA FAMÍLIA

PATRIARCADO DE LISBOA

RSS Feed Facebook Subscreva a nossa Newsletter Contacte-nos

Ecos sobre o encontro de formação com o Padre José Granados

Ecos sobre o encontro de formação com o Padre José GranadosNo passado dia 25 teve lugar uma jornada de formação sobre Pastoral Familiar, orientada pelo Pe. José Granados, vice-presidente do Instituto Pontifício Teológico João Paulo II para as Ciências do Matrimónio e da Família de Roma. Inúmeras vezes foi referida a dimensão estruturadora da Pastoral Familiar como única pastoral não sectorial que integra e acompanha o percurso total da vida das pessoas.

A Igreja tem o seu foco no homem, a vocação do homem passa pelo amor e este amor é aprendido e realmente vivido no seio da família. O problema de hoje é que o amor está: secularizado (o que não faz sentido se pensarmos que em todas as culturas a sexualidade aparece sempre ligada ao sagrado); privatizado (a sexualidade conjugal era a base da familia e agora cada um é tudo para o outro); emotivizado (o amor tornou-se apenas uma emoção, um sentimento) e desencarnado (ser homem ou mulher já não interessa, o corpo não revela quem somos). Mas a familia é precisamente o lugar a partir do qual somos salvos de naufragar no amor liquido do nosso tempo e, por isso, a familia é a misericórdia de Deus. É na família que se aprende o conceito de “para sempre” pois a família onde se é amado e acolhido será sempre a “nossa” família. Em especial numa sociedade anti-família, onde palavras como pai, mãe, filho, mulher, homem e amor estão cada vez mais a perder o seu verdadeiro significado, onde as pessoas têm cada vez mais dificuldade em se comprometer. Nas palavras de S. João Paulo II, “a família é o caminho da Igreja” e por essa razão falar de familia é também falar de fé, como aliás é bem patente em toda a história do povo de Deus. Desde a criação de um primeiro casal, passando pela arca de Noé onde Deus providenciou uma casa para, a partir da familia, recomeçar uma nova geração, incluindo Abraão cuja relação com Deus foi marcada pelas vicissitudes das relações familiares: a mulher que não podia ter filhos e a experiência de que os filhos são um dom de Deus. Finalmente culminando na encarnação onde Deus se fez homem no seio de uma familia. O Pe. José Granados falou da familia como uma arquitetura, onde a própria familia é o sujeito da edificação e abordou os métodos usados na construção. Ouvir o Pe. Granados é como apreciar uma obra de arte naquilo em que a beleza revela o divino. A forma simples e clara como aborda temas tão complexos torna-os belos e atrativos. Enche-nos de confiança, restaura em nós a esperança e reafirma o sentido e a alegria que é trabalhar na Pastoral Familiar.

Testemunho de Joana Dias Mendes e Maria José Vilaça

 

Share

Próximos eventos